Tipos de marcha e auxiliares de marcha

30-07-2020 22:03

Auxiliares de Marcha 

O que são auxiliares de marcha?

Os auxiliares de marcha, são dispositivos, cuja sua utilidade tem o objetivo de auxiliar pessoas que apresentam alterações na marcha.

 

De uma forma geral os auxiliares de marcha são indicados para:

  • Reduzir a carga nas estruturas da parte inferior do corpo inflamadas ou traumatizadas;
  • Melhorar o equilíbrio;
  • Reduzir a dor.
 
 

Tipos de auxiliares de marcha

 

Canadianas

(de ombro, axilares, umbracal)

As canadianas podem ter vários formatos. Os mais utilizados são as canadianas de antebraço, axilares e umbracais, diferem apenas nos pontos de apoio dos membros superiores e das mãos.

  • As canadianas de ombro são as mais utilizadas, pois conferem melhor balanço em termos de alívio da carga e risco de lesão.
  • As canadianas axilares são menos utilizadas do que as canadianas de ombro,  devido ao risco de lesão do nervo radial por compressão prolongada na região axilar. No entanto estas são as canadianas que conferem maior alívio de carga sobre o membro afetado.
  • A canadiana umbracal é utilizada quando não é possível exercer carga no punho.
  • Devem ser sempre utilizadas em par, e nunca de forma individual de forma a evitar danos músculo-esqueléticos.



Canadiana de OmbroCanadiana axilarCanadiana Umbracal

Canadiana de Ombro                  Canadiana axilar                   Canadiana Umbracal    

 

 

Regras de segurança
  • Ajustar os reguladores de altura de modo a que o punho da canadiana fique a nível da anca do cliente.
  • Nas canadianas de ombro e axilares a articulação do cotovelo deve estar fletida a 250.
  • As canadianas axilares devem ficar a 3 cm abaixo da articulação do ombro.
 

Tipos de deambulação com canadianas

Deambulação de balanço ou oscilante:
  • É utilizada nos casos em que só é possível a marcha quando as duas pernas só podem tocar no chão simultaneamente ou uma das pernas não pode tocar no chão.
  • Sendo assim, existem sempre dois pontos de contacto com o chão.
 

Como efetuar:

  1. Avançar as canadianas;
  2. Avançar as duas pernas.
 
Deambulação de balanço ou oscilante
 
 
Deambulação a 2 pontos:
  • É utilizada nos casos em que é necessário reforçar parcialmente cada uma das pernas de forma alternada durante a marcha.
  • São sempre dois os pontos de contacto com o chão durante a marcha

 

Como efetuar:

  1. Avançar alternadamente e em simultâneo uma canadiana e  a perna oposta.
 
Deambulação 2 pontos
 
 
Deambulação a 3 pontos:
  • É utilizada sempre que é necessário que uma das pernas faça carga parcial ou carga total durante a marcha.
  • Existem sempre três pontos de apoio. Se necessário, o membro afetado pode não tocar o solo.
 

Como efetuar:

  1. Avançar as duas canadianas e simultaneamente a perna afetada;
  2. Avançar a perna saudável.
 

Deambulação a 3 pontos

 

Deambulação de 4 pontos:
  • É usada  quando só é possível a marcha exercendo carga parcial nas duas pernas.
  • O movimento executado em quatro tempos, sempre três pontos de contato com o chão.
 

Como efetuar:

  1. Avançar canadiana do lado contrário à da perna afetada;
  2. Avançar a perna afetada;
  3. Avançar canadiana do lado da perna afetada;
  4. Avançar a perna saudável.
 
Deambulação de 4 pontos
 
 

Bengalas, tripés e pirâmides

A bengala apresenta apenas um ponto de contato com o chão, os tripés, três pontos de contato com o chão e as pirâmides quatro pontos de contato com o chão.

A necessidade destes dispositivos é determinada pela quantidade de pontos de contacto com o chão necessários para o cliente conseguir efetuar a marcha.

Estes auxiliares de marcha devem ser usados quando não se pode fazer carga total em uma das pernas.

 

Regras de segurança
  • As bengalas, tripés e pirâmides devem ser usadas no lado contrário da perna comprometida.
  • O punho da bengala, tripés e pirâmides deve ser ajustado de modo a ficar a nível da anca do cliente.
  • O cotovelo de estar fletido a 250.
  • Devem ser utilizados individualmente no lado oposto da perna comprometida e não em par
 

BengalaTripéPirâmide

Bengalas                                             Tripés                                                  Pirâmides

 

 

Tipos de marcha com bengala, tripés, pirâmides:

  1. Avançar com o auxiliar de marcha;
  2. Deslocar a perna afetada;
  3. Deslocar a perna mais saudável suportando o peso na perna com menos força e no dispositivo de auxiliar de marcha.
 
Tipos de marcha com bengala, tripé e pirâmide
 
 

Como subir e descer escadas com recurso a canadiana, bengalas, tripés, pirâmide?

 

Subir escadas:

  1. Avançar com a perna saudável para o degrau superior;
  2. Avançar com as duas canadianas;
  3. Por fim a perna afetada;
 

Subir escadas canadianas

 

Descer escadas:

  1. Avançar com as canadianas para o degrau inferior;
  2. Avançar com a perna afetada para o degrau inferior;
  3. Ultimamente a perna saudável.
 

Descer escadas canadianas

 

Andarilhos

Garantem uma base de apoio mais ampla do que outros auxiliares de marcha, rodeando o utilizador por três lados (à frente, do lado esquerdo e direito) e apoiando-se no chão por quatro pontos.

São usados por pessoas que não podem fazer carga total numa ou duas pernas, em que se verifique em simultâneo pouca força nos braços (fraqueza generalizada).

 

Os andarilhos podem ter uma ampla variedade de características, que podem ser combinadas de forma a providenciar a melhor solução para a situação de imobilidade do cliente:

  • Os andarilhos articulados podem ser desdobrados de forma a permitir fácil armazenamento;
  • Os andarilhos de dois níveis facilitam o levante do doente;
  • Os andarilhos com rodas (duas ou quatro rodas), permitem que a marcha seja efetuada de forma contínua, com menor esforço físico, sem a necessidade de levantar  o dispositivo. Todos os andarilhos de quatro rodas têm travões;
  • Os andarilhos com assento permitem o cliente utilizar o andarilho como ponto de repouso, possibilitam assim que os clientes sejam mais autónomos. A maioria dos andarilhos com assento têm cesto útil para transportar e guardar pequenos objetos.
 
 

Andarilho Fixo Andarilho ArticuladoAndarilho de 2 rodas

Andarilho Fixo                   Andarilho Articulado               Andarilho de 2 Rodas

 

Andarilho articulado de 2 níveisAndarilho de 4 rodas e com cesto

Andarilho Articulado 2 níveis          Andarilho de 4 rodas com cesto

 

 

Regras de segurança
  • Cada passo não deverá ultrapassar as ponteiras anteriores do andarilho;
  • A articulação do cotovelo deve estar fletida a 250;
  • O andarilho deve ser ajustado de modo a que os punhos fiquem a nível da anca do cliente;
  • Ao agarrar o punho do andarilho, o punho deverá estar ligeiramente fletido, de modo a evitar danos músculo-esqueléticos;
  • Os andarilhos não são recomendados para subir e descer escadas.
 
 
Deambulação com o andarilho
  1. Deslocar o andarilho para a frente;
  2. Dar um passo em frente com o membro inferior afetado;
  3. Dar um passo com o membro inferior saudável, não ultrapassando a base do auxiliar de marcha.
 

Deambulação com o andarilho

 

Regras gerais de segurança
  • Eliminar possíveis obstáculos;
  • Manter o piso limpo e seco;
  • Garantir que as ponteiras dos meios auxiliares de marcha mantêm as suas propriedades antiderrapantes;
  • Ao recorrer a dispositivos auxiliares de marcha o utente deverá ter calçado fechado, com sola antiderrapante;
  • De acordo com o nível de resistência a esforços físicos deverão ser definidos pontos de repouso;
  • Não comprar nem usar emprestado auxiliares de marcha sem orientação profissional prévia;
  • A utilização de auxiliares de marchas deverá ser feita sempre que possível sobre a supervisão de um cuidador ou profissional de saúde.
 

 

Referências:

https://cdn.publisher.gn1.link/ggaging.com/pdf/v6n3a06.pdf

https://www.ordemenfermeiros.pt/arquivo/publicacoes/Documents/GOBP_Mobilidade_VF_site.pdf

https://proteseeortese.wordpress.com/2011/08/30/muletas/

 

Tipos de marcha e auxiliares de marcha

Não foram encontrados comentários.

Novo comentário