Auxiliares de Marcha - Andarilhos, Bengalas e Canadianas

19-11-2017 12:26

Como Prevenir quedas - Auxiliares de marcha

 
Com o passar dos anos, devido a diversas patologias e/ou enfraquecimento fisico,
os idosos tendem a ter problemas a nivel do equilibrio. As quedas ocorrentes entre a
população dos idosos são a principal causa de lesões, hospitalização e consequente
perda de autonomia entre os idosos acima dos 65 anos. Estima-se que um terço dos
idosos cai, pelo menos, uma vez ao ano. Uma forma de evitar estas quedas é a utilização
de auxiliares de marcha, devidamente aconselhados e adaptados pelo médico,
fisioterapeuta ou ortoprotesico. Esta utilização vai aumentar a autonomia do idoso, a sua
mobilidade e equilibrio.
Outro ponto importante, é o treino de marcha com o dispositivo. Se o auxiliar de
marcha não for adaptado e utilizado corretamente pelo idoso, poderá causar também
instabilidade e, por consequência, quedas. Desta forma, é importante que no acto da
venda ou indicação do dispositivo a utilizar, este seja bem escolhido, bem adaptado e que
exista um treino de marcha para ensinar ao utente a melhor forma de utilização do seu
auxiliar de marcha.
A escolha do dispositivo mais adequado vai depender das patologias associadas,
dor, força muscular, condições do meio ambiente e também a capacidade cognitiva. Não é
aconselhado que o dispositivo seja emprestado ou oferecido, pois a avaliação inicial para
a escolha do auxiliar correcto é muito importante.
Os auxiliares de marcha são divididos em 3 categorias:
• Bengalas
• Canadianas
• Andarilhos
Bengalas
As bengalas são usadas com o objectivo de aumentar a base de apoio do utilizador
melhorando assim o seu equilibrio. Podem ser usadas também com o fim de diminuir a
carga de um membro inferior devido a, por exemplo, uma lesão, nesses casos a bengala
deverá ser utilizada na mão oposta ao membro afectado de modo a diminuir a sobrecarga
da musculatura desse lado. Com o uso da bengala é possível diminuir a carga exercida
nos membros inferiores em 20%-25%, tendo como consequência a diminuição da
compressão das articulações. Favorece também em situações como subir e descer
escadas.
Existem diversos tipos de bengalas que deverão ser usados consoante a necessidade de
cada utilizador:
Bengalas convencionais:
Feitas de madeira ou plástico, geralmente têm o apoio de mão em formato de meio
circulo, ou tradicional. Estas bengalas são mais dificeis de fazer o ajuste, pois tem que ser
cortadas á altura correta do utilizador.

Com o passar dos anos, devido a diversas patologias e/ou enfraquecimento fisico, os idosos tendem a ter problemas a nivel do equilibrio. As quedas ocorrentes entre a população dos idosos são a principal causa de lesões, hospitalização e consequente perda de autonomia entre os idosos acima dos 65 anos. Estima-se que um terço dos idosos cai, pelo menos, uma vez ao ano. Uma forma de evitar estas quedas é a utilização de auxiliares de marcha, devidamente aconselhados e adaptados pelo médico, fisioterapeuta ou ortoprotesico. Esta utilização vai aumentar a autonomia do idoso, a sua mobilidade e equilibrio.

 

Outro ponto importante, é o treino de marcha com o dispositivo. Se o auxil iar de marcha não for adaptado e utilizado corretamente pelo idoso, poderá causar também instabilidade e, por consequência, quedas. Desta forma, é importante que no acto da venda ou indicação do dispositivo a utilizar, este seja bem escolhido, bem adaptado e que exista um treino de marcha para ensinar ao utente a melhor forma de utilização do seu auxiliar de marcha.

 

A escolha do dispositivo mais adequado vai depender das patologias associadas, dor, força muscular, condições do meio ambiente e também a capacidade cognitiva. Não é aconselhado que o dispositivo seja emprestado ou oferecido, pois a avaliação inicial para a escolha do auxiliar correcto é muito importante.

Os auxiliares d e marcha são divididos em 3 categorias:

  • Bengalas
  • Canadianas
  • Andarilhos
 

Bengalas

As bengalas são usadas com o objectivo de aumentar a base de apoio do utilizador melhorando assim o seu equilibrio. Podem ser usadas também com o fim de diminuir a carga de um membro inferior devido a, por exemplo, uma lesão, nesses casos a bengala deverá ser utilizada na mão oposta ao membro afectado de modo a diminuir a sobrecarga da musculatura desse lado. Com o uso da bengala é possível diminuir a carga exercida nos membros inferiores em 20%-25%, tendo como consequência a diminuição da compressão das articulações. Favorece também em situações como subir e descer escadas.

 

Existem diversos tipos de bengalas, que deverão ser usados consoante a necessidade de cada utilizador:

Bengalas convencionais

Bengalas convencionais

Feitas de madeira ou plástico, geralmente têm o apoio de mão em formato de meio circulo, ou tradicional. Estas bengalas são mais dificeis de fazer o ajuste, pois tem que ser cortadas á altura correta do utilizador.

Bengalas ajustáveis em altura

Bengalas ajustáveis em altura

Feitas, normalmente de aluminio, para serem leves, estas bengalas são facilmente ajustadas à altura do utente na maioria dos casos, entre os 68cm e os 98cm. Tem o apoio de mão em T, e algumas já vem com almofadas para serem mais confortaveis. Alguns modelos são tambem dobráveis, o que os torna mais facéis de transportar quando não estão a ser utilizados.

Bengalas com 3 ou 4 apoios

tripépirâmide quadripe

Mais conhecidas como Tripés e Quadripés, tem 3 ou 4 apoios ao solo, aumentando assim a sua base dando mais segurança e estabilidade. São normalmente feitas de aluminio, e, tal como as bengalas acima descritas, são facilmente ajustaveis em altura. Como desvantagens, tem que a sua base larga pode prejudicar a sua utilização em escadas. Neste caso, aconselha-se o uso da bengala.

 

Em geral, para a utilização das bengalas, temos que ter em conta se as mesmas são suficiente para o problema do utente, e se chegarmos a conclusão que sim, no treino de marcha é importante avaliar se a bengala está a ser bem utilizada e se o peso está a ser bem distribuido. Caso contrário, podemos estar a criar outras lesões associadas ao mau uso das bengalas (sindrome do tunel carpico, lesões a nivel dos M.S., etc.

 

Canadianas

As canadianas são utilizadas para casos de utentes que necessitam de utilizar a força dos seus membros superiores para sustentação do peso e propulsão. Com esta força, conseguimos manter a deambulação funcional, apesar da falta de utilização de um ou ambos os membros inferiores. Em geral, as canadianas são utilizadas bilateralmente, ao contrario das bengalas. 

 

Exitem 3 tipos de canadianas:

Canadiana simples

Canadiana simples

Possui um apoio de antebraço, que pode ser fechada (braçadeira) ou aberta.  As mãos apoiam no punho, tal como as bengalas, mas a pressão é distribuida melhor através do apoio de antebraço. No caso das canadianas com o apoio de antebraço fechado, o utente pode largar o punho que as canadianas não vão cair. Facilita a utilização de escadas e servem para utilização bilateral. É importante avaliar se o utente aplica muita força na zona do punho, pois para evitar lesões associadas, já existem canadianas com punhos almofadados e com amortecedores para reduzir o impacto. 

 

Muletas Axilares

Muletas Axilares

O uso deste tipo de canadiana é um pouco controverso. Para além de serem canadianas mais confortaveis de usar, pois através da distribuição de peso entre o apoio axilar e do punho, de cerca de 80% de alivio para os membros inferiores, o seu uso prolongado pode provocar danos ao nivel do nervo braquial, atraves da pressão na axila. Isto acontece quando a altura da canadiana não está bem adequado ao paciente, e quando são utilizadas por um espaço de tempo muito prolongado. De qualquer das formas, a distribuição de cargas é muito bem conseguida e é, por vezes, a unica solução para utentes de estatura mais alta.

 

Canadiana Umbracal

Canadiana Umbracal

Este tipo de canadiana é menos utilizado, pois requer muito mais treino que as restantes. Para alem de distribuir melhor o peso, e ser bom para quem não pode aplicar força nos punhos, é muito mais dificil do utente aprender a utilizá-las.

É muito importante a avalição das capacidades do idoso para saber se canadianas serão uma boa opção para o mesmo, pois qualquer que seja o modelo, requer sempre alguma força nos membros superiores e capacidade de facil aprendizagem na forma como utiliza-las. Mais uma vez, o acompanhamento do profissional de saúde é importantissimo nesta fase.

 

Andarilhos

Os andarilhos, de todos os auxiliares de marcha, são os que ofereçem uma base de apoio maior, dando mais estabilidade e segurança ao idoso, mas por vezes, a parte dificil é a aceitação do idoso em relação ao andarilho. Estes fornecem 4 pontos de contacto com o solo, melhorando o equilibrio e a sensação de segurança. Dão também maior estabilidade anterior e lateral, distribuindo melhor o peso do utillizador. São, geralmente ajustáveis em altura, e feitos de aluminio tubular, tornando-os mais leves.

 

Existem 4 tipos de andarilhos:

Andarilho Fixo

Andarilho Fixo

O mais utilizado e conhecido, este andarilho é o que mais dá confiança aos utilizadores. Tem uma ampla base de apoio completamente fixa, que dá a sensação de maior segurança, dando maior estabilidade anterolateral. É muito utilizado para pessoas com fraqueza muscular a nivel dos membros inferiores. Se houver algum membro inferior que não possa sofrer carga, é importante que o utilizador tenha alguma força nos membros superiores, o que requer um desgaste maior de energia, podendo não ser aconselhado para todos os casos.

 

Andarilho Articulado

Andarilho Articulado

Muito parecido com o andarilho fixo, mas com a capacidade de ser utilizado articuladamente. isto é, há uma oscilação dos membros superiores para mover o andarilho, não sendo necessário ergue-lo. Este andarilho requer menos desgaste energético, e é indicado para padrões de marcha mais curtos e lentos. O ser articulado, torna-o um pouco menos estável, mas normalmente, vem com ajuste para poder ser usado como modelo fixo.

 

Andarilho com 2 rodas

Andarilho com 2 rodas

Estes andarilhos são constituidos por 2 pernas traseiras com ponteiras de borracha e duas rodas dianteiras. Este andarilho tem uma utilização mais funcional e rápida, para pessoas não tão debilitadas e ainda com alguma destreza, não deixando de ser seguro, pois mal é aplicada uma ligeira força no andarilho, este trava devido à aderencia das borrachas ao solo. É utilizado também em casos onde o idoso não consegue erguer o andarilho. Se não for bem utilizado, pode se tornar um pouco instavel, por isso o treino de marcha é essencial.

 

Andarilho de 4 rodas

Andarilho de 4 rodas

Tal como o anterior, é para uma utilização mais funcional e rápida, normalmente em espaços mais amplos e por utilizadores mais autonomos fisica e, principalmente, cognitivamente. Vem com travões nos punhos para o controle do mesmo e é muito importante que o idoso tenha consciencia de quando deve travar ou não para não sofrer nenhuma queda com a utilização do mesmo. Mais uma vez, a avaliação e treino são essenciais nestes casos. Existem variados modelos no mercado, e é muito importante a escolha correta. Normalmente trazem um cesto e banco para os utilizadores poderem sentar e descansar.

 

Em todos os tipos de andarilho, o uso em escadas está contra indicado. 

A escolha correta vai aumentar bastante a aceitação e adaptação do idoso ao andarilho.

 

O uso adequado dos auxiliares de m archa é muito importante na diminuição de acidentes entre os idosos, e é nossa função, como profissionais de saúde, avaliar e adaptar corretamente o dispositivo, tornando a experiência do idoso mais agradável e segura para o mesmo.

 

Conheça os vários modelos e preços dos auxiliares de marcha.

 

Auxiliares de Marcha - Andarilhos, Bengalas e Canadianas

Não foram encontrados comentários.

Novo comentário