Incontinência Urinária: Tipos e Factores de Risco

11-08-2020 16:50

Incontinência Urinária

 

A incontinência urinária é a incapacidade de controlar e eliminar urina, que resulte numa alteração do padrão de eliminação normal.

padrão normal de eliminação urinária é de cerca de 2 litros de urina por dia a um débito de 30 ml de urina por hora.

  1. A incontinência urinária é mais frequente em mulheres, pois em relação aos homens têm uma uretra menor e menos musculatura.
  2. Nos homens a causa mais frequente de incontinência urinária é hiperplasia benigna da próstata.
 
 
Incontinência urinária
 
 

Tipos de incontinência

 

A incontinência urinária pode ser um problema temporário ou crónico, no entanto existem várias formas de incontinência.

 

Incontinência de urgência

 

Ocorre quando, após a necessidade urgente de urinar existem perdas incontroladas de urina em média ou grande quantidade. É comum ocorrer durante a noite.

  • Está associada à hiperatividade do musculo liso do interior da bexiga (detrusor da bexiga), ou ao aumento da sensibilidade da bexiga.
  • As causas mais conhecidas deste tipo de incontinência são neurológicas, por exemplo (Parkinson).
  • O tratamento para este tipo de incontinência poder ser medicamentoso, fisioterapêutico e cirúrgico.

 

Incontinência de urgência

Em situações de incontinência que resultam na perda de urina em grande quantidade são recomendadas fraldas, cueca fraldas, penso de incontinência de alta absorção.

Cueca fralda ID SuperFralda ID PlusPensos Indasec extra

Cueca fralda ID Super                           Fralda ID Plus                      Pensos Indasec extra

 

 

Incontinência de esforço

 

Dá-se quando ocorre perda de urina devido a esforços que causam o aumento da pressão intra-abdominal, como por exemplo: 

  • Tosse, 
  • Levantar pesos. 
  • Geralmente resulta em pequenas perdas de urina.
 

É frequente em casos de infeções urinárias, intervenção cirúrgica pélvica e/ou abdominais como a prostatectomia (remoção parcial ou total da próstata), obesidade, cujo a gordura intra-abdominal exerce pressão sobre a bexiga.

 

Incontinência de esforço

 

O tratamento da incontinência urinária por esforço é maioritariamente  feito através de exercícios específicos que fortalecem a musculatura pélvica, que devem ser recomendados por profissionais de saúde, no entanto em certos casos é necessária intervenção cirúrgica.

Na incontinência de esforço  as perdas de urina são mínimas e como resposta a tal é recomendado recorrer a fraldas, cuecas fraldas e penso de incontinência  de absorção ligeira a moderada.

 

Fralda Id Slip PlusCueca Fralda ID SuperPensos Indasec micro

  Fralda Id Slip Plus                             Cueca Fralda ID Super               Pensos Indasec micro
 

 

Incontinência mista

 

É combinação da incontinência de urgência e a incontinência de esforço, ou seja, a incontinência urinária ocorre nas duas situações descritas anteriormente.

 

Incontinência por transbordamento

 

Sucede-se quando existe uma perda de urina em pequena quantidade, causada pelo preenchimento total do volume da bexiga.

Os utentes com este tipo de incontinência são incapazes de esvaziar a bexiga em grandes quantidades.

Este tipo de incontinência é provocado por quadros de retenção urinária. São variadas a causas que podem impedir a passagem da urina pela bexiga, a título de exemplo: 

  • Acidente vascular cerebral, 
  • Diabetes, 
  • Cálculos na bexiga.
 

Este quadro de retenção urinária pode ser detetado por sinais e sintomas:

  • Dor no local da bexiga;
  • Desejo constate de urinar;
  • Urinar em quantidades reduzidas;
  • Jato de urina com pouca força;
  • Presença visível e palpável de globo vesical: forma-se quando a bexiga é distendida pelo acúmulo excessivo de urina;
 
 
 
Globo vesical

Globo vesical

 

O tratamento compreende todas as medidas que visam remover o obstáculo à passagem de urina como por exemplo: 

  • Cirúrgicas, 
  • Medicamentosas,
  • Pode até ser necessárias medidas provisórias de drenagem de urina como a algaliação.
 

Incontinência funcional

 

O trato urinário mantém a sua capacidade funcional e o utente reconhece a necessidade de ir à casa de banho, mas a incontinência advém da incapacidade de planear e estruturar estratégias eficazes, com o fim de realizar eliminação urinária.

Este comportamento é causado por alterações cognitivas e físicas como afeções de mobilidade, desorientação no espaço e no tempo e/ou Alzheimer.

Nestes casos a terapia ocupacional ajuda a planear e a definir estratégias para contornar as causas que dão origem a este problema.

Normalmente, nas intervenções terapêuticas são utilizados dispositivos auxiliares de marcha, que visam facilitar a locomoção, bem como melhorar a autonomia do utente. Como o andarilho e a bengala.


   Andarilho Articulado                            Bengala alumínio extensível com luz e alarme                 

                      Andarilho Articulado                          Bengala extensível com luz e alarme            


 

Riscos para a saúde e qualidade de vida

 

Estes tipos de incontinência urinária, são capazes de impactar a saúde e bem estar do utente de várias maneiras:

  • Reduzem a autoestima do utente;
  • Aumentam as perturbações do sono;
  • Diminuem a qualidade da atividade sexual;
  • Afetam negativamente relações sociais e profissionais;
  • Aumentam o risco de úlcera por pressão em utentes mais dependentes;
 

 

Fatores de risco
  • Hábitos pessoais: Privacidade, tempo adequado para urinar;
  • Fatores psicológicos: Ansiedade, stress;
  • Fatores socioculturais: Normas de cultura, género, expectativas sociais;
  • Crescimento desenvolvimento: Idade, envelhecimento, mobilidade;
  • Alterações hormonais: como a gravidez e a menopausa, causam alterações dos níveis de estrogénio, capazes de levar a condições como vaginite atrófica.
  • Processo traumáticos: como durante o parto e após longos períodos de retenção urinária ou após determinadas intervenções cirúrgicas;
  • Tónus muscular: fraqueza dos músculos abdominais e pélvicos, diminuição do tónus muscular;
  • Ingestão de líquidos: Volume, tipos de líquidos ingeridos (álcool, café);
  • Medicamentos: que aumentam produção de urina (diuréticos), alteram a cor da urina (amitriptilina), afetam o relaxamento do esfíncter;
  • Afeções patológicas: alteram a função, os padrões urinários, com por ex: infeções urinárias;
  • Exames de diagnóstico: podem provocar hipersensibilidade e insuficiência renal aguda, retenção urinária e alteração da cor da urina
 
 
Medidas de prevenção
  • Aumentar a ingestão de líquidos, sendo que para tal deverá procurar recomendação de um profissional de saúde;
  • Limitar a ingestão de líquidos que estimulem a bexiga como o café;
  • Recorrer a dispositivos para eliminação que aumentem a autonomia dos utentes e diminuam o esforço dos cuidadores, como urinóis masculinos e femininos, resguar dos, fraldas.
 
 
Urinol tipo bidé Urinol masculino portátil
 
Urinol tipo bidé                                Urinol masculino
 
resguardostoalhitas
Resguardos                                            Toalhitas                  

 

 

  • Adotar uma dieta saudável
  • Controlar o peso;
  • Alterar estratégia de uso da casa de banho;
  • Urinar quando sentir vontade de forma a evitar a retenção de urina, reduz o risco de traumatismo do trato urinário e infeções urinárias.
  • Verificar periodicamente o estado da pele dos doentes acamados e dependentes com incontinência urinária, dado que a maceração provocada pelo contacto prolongado da pele com a urina, aumenta o risco de feridas. Normalmente são utilizados cremes e óleos hidratantes para este efeito;
 

Creme Hidratante AddermisCremes Hidratantes

Cremes Hidratantes

 

  • Esvaziar a bexiga por completo sempre que possível.
  • Evitar a obstipação, o intestino cheio diminui a capacidade da bexiga;
  • Manter um estilo de vida ativo;
  • Exercitar os músculos do pavimento pélvico, como exercícios Kegel - consistem na contração lenta e rápida do assoalho pélvico.
  • Não encarar a incontinência urinária como uma ocorrência normal, seja jovem ou idoso, sempre que haja suspeita de incontinência urinária, procurar avaliação médica.
 

 

Referências:
 

https://www.auajournals.org/doi/pdf/10.1016/j.juro.2018.05.048

https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/28625508/

https://www.scielo.mec.pt/scielo.php?pid=S2182-51732013000600004&script=sci_arttext&tlng=en

https://cienciasmedicasbiologicas.ufba.br/index.php/enfermagem/article/view/6922/7162

https://www.apurologia.pt/incontinencia/incontinencia_2014/Dossier_Inc_Urinaria_2014.pdf

 

 

Incontinência Urinária

Não foram encontrados comentários.

Novo comentário